quarta-feira, 16 de novembro de 2016

A vida de um cristão não é nada fácil, ainda mais quando se tem que perdoar aquele a quem o ofendeu. Agora imagina ter que perdoar e orar para o bem daquele que matou seu marido a troco de nada? 

É exatamente isso que a esposa do pastor que foi morto enquanto evangelizava está vivendo.

Na última sexta-feira (11), o pastor Marco Aurélio foi morto minutos depois de orar por seu próprio assassino, na favela do Gogó da Ema, em Belford Roxo. O traficante que o baleou teria atirado no pastor por confundir a muleta do pastor com uma arma de fogo.


Mesmo em meio a todo o sofrimento vivido pela família do pastor morto, os filhos e a esposa contam que perdoaram o criminoso, prometendo continuar o trabalho de evangelização iniciado pelo pastor há 20 anos.

"Já perdoei e já orei muito, para Deus guardar essa alma. Eu sei que muitas pessoas até ficam revoltadas não entendem esse momento, mas temos muito amor pela alma. Meu marido morreu pelo amor pela alma, resgatando uma vida", contou a viúva Márcia Lima.

"A gente não vai parar não. É o exemplo do meu pai. Missão dada é missão cumprida", afirmou em meio aos prantos um dos filhos do pastor.

O pastor baleado era muito conhecido em Belford Roxo, devido ao forte trabalho realizado para a recuperação dos traficantes e usuários de drogas nas comunidades da cidade.

O pastor estava de carona de um carro dirigido por um amigo, quando foi abordado por um traficante visivelmente drogado e que não o conhecia. Marco Aurélio teria se identificou para o traficante como pastor evangélico, onde conversou com o criminoso e fez uma oração por ele. Após a oração, o pastor que tinha realizado uma operação recente na perna esquerda, se abaixou para coçar a perna e pegar uma muleta, nesse momento que o suspeito se assustou, o que possivelmente confundiu a muleta com uma arma de fogo e baleou o pastor.



O caso continua sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense. Informações "G1".


0 comentários:

Postar um comentário